cerrar
cerrar

caf.com / notícias / líderes latino-americanos fazem um chamado para que as cidades sejam o centro do desenvolvimento regional

notícias

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe
04 de novembro de 2017Líderes latino-americanos fazem um chamado para que as cidades sejam o centro do desenvolvimento regional

Durante o primeiro dia da Conferência CAF: Cidades com Futuro, especialistas internacionais, ministros e prefeitos latino-americanos fizeram um chamado para converter as cidades nos principais motores de crescimento econômico e inclusão social, através de um planejamento ordenado, de avanços na resiliência urbana e de melhorias na provisão de serviços públicos.

comparteimg - Twitterimg - Facebookimg - GooglePlusimg - LinkedInimg - Whatsapp

Reduzir a exclusão social, planejar melhor, aumentar a produtividade, melhorar a resiliência urbana e oferecer bons serviços públicos. Estes são os desafios mais urgentes que as cidades da região enfrentam nas próximas décadas, conforme garantiram os especialistas internacionais reunidos em Lima nos dias 2 e 3 de novembro para a Conferência CAF: Cidades com Futuro, organizada pelo banco de desenvolvimento da América Latina.

No primeiro dia do evento, os especialistas concluíram que, para abordar esses desafios com eficiência, será imprescindível que todas as autoridades públicas trabalhem em conjunto para impulsionar uma agenda urbana que coloque o cidadão no centro do tabuleiro, e que contemple intervenções integrais nos setores de transporte, moradia, emprego, redes viárias e infraestrutura e meio ambiente. 

“A América Latina tem o desafio de transformar as cidades em espaços de oportunidade”, assegurou Gabriela Michetti, vice-presidente da Argentina. “Para a Argentina, a abordagem dos problemas do habitat é uma prioridade e uma política de Estado, e um dos objetivos principais é saldar o déficit habitacional e promover a universalização do acesso a serviços básicos”, garantiu.

Michetti destacou que a Argentina multiplicou por seis os recursos orçamentais para o Plano Nacional de Habitat, e que o planejamento urbano é uma parte essencial dos três pilares do seu governo (luta contra a pobreza, combate ao tráfico de drogas e fomento da união social). Também considerou imprescindível que todas as esferas dos governos se unam para conseguir que as intervenções urbanas impliquem uma mudança de consciência na cidadania.

Por outro lado, Carlos Bruce Montes de Oca, ministro de Habitação, Construção e Saneamento do Peru, afirmou que para solucionar o problema dos assentamentos informais e das dificuldades de acesso à moradia, é necessário adotar ações transversais para melhorar as condições de habitabilidade. Destacou também que “a nova governança se baseia na coordenação intergovernamental e setorial, na melhoria das capacidades e em uma gestão transparente que articule todos os atores”.

Paulina Saball, ministra de Moradia e Urbanismo do Chile, explicou que “o acesso à moradia não é só o acesso a um bem físico, mas a um conjunto de serviços que permitem morar bem, fazer parte da cidade, fortalecer a identidade das pessoas e gerar formas de integração ao emprego e ao crescimento”.

Por sua parte, Carlos Basombrío Iglesias, ministro do Interior do Peru, assinalou que um dos principais problemas que as cidades latino-americanas e peruanas enfrentam é a insegurança do cidadão. Para lutar contra ela, expôs algumas iniciativas, como a de “Bairros Seguros”, um projeto que pretende reduzir os índices de crimes e violência por meio de uma combinação da prevenção comunitária localizada em bairros problemáticos com a geração de oportunidades para os habitantes.   

Quanto à capacidade das cidades para atenuar os efeitos dos fenômenos naturais extremos, Fernando León Morales, vice-ministro de Desenvolvimento Estratégico de Recursos Naturais do Peru, assegurou que “o conceito de resiliência tem que fazer parte do processo de definição das políticas e da tomada de decisões nos níveis regional, nacional e local. É preciso integrar os conceitos de risco, desastres, resiliência e mudança climática dentro do planejamento do desenvolvimento”.

Yolanda Kakabadse, presidente do World Wide Fund for Nature (WWF), considerou que “não podemos pensar em uma cidade do futuro sem reconstruir o vínculo da cidade com o meio rural, sem repensar a origem da água com seu uso e a origem da energia com seu gasto, ou sem saber de onde vêm os alimentos ou como estão se deteriorando os ecossistemas”.

Olhando para o futuro, Nicolás Galarza, da Universidade de Nova York, considerou que é necessário adotar “ações concretas para propor uma expansão ordenada, de tal modo que não tenhamos que continuar fazendo um planejamento urbano reativo. Nós sugerimos uma intervenção minimalista baseada em redes de direitos viários que sirvam como coluna vertebral”.

Para Mauricio Rodas, prefeito de Quito, as cidades do mundo estão enfrentando dois desafios fundamentais: a mudança climática e a migração. A América Latina deverá construir as capacidades necessárias para enfrentar estes desafios.

o mais recente em  CAF
TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe