cerrar
cerrar

caf.com / notícias / tecnologia e inovação para melhorar a qualidade de vida nas cidades

notícias

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe
09 de novembro de 2017Tecnologia e inovação para melhorar a qualidade de vida nas cidades

Com a ajuda de mais de 100 pessoas, a CAF apoiou a realização do Fórum Internacional Cidades Inteligentes, tecnologia e inovação para melhorar a qualidade de vida (baixa energia, baixo teor de carbono e melhores serviços através das TICs) na Venezuela.

comparteimg - Twitterimg - Facebookimg - GooglePlusimg - LinkedInimg - Whatsapp

O fórum reuniu representantes do governo da Venezuela, representantes do governo da Coreia, instituições públicas e privadas e especialistas do CAF na área, para apresentar as experiências no desenvolvimento das cidades da Coreia do Sul e algumas cidades da América Latina, as barreiras e melhores práticas que existem na América Latina em relação à implantação de infraestrutura de telecomunicações.

A cerimônia de abertura do evento foi realizada por Blanca Alarcón, especialista sênior da Direção de Análise e Programação Setorial do CAF, e Taeoh Kim, conselheiro da Embaixada da Coreia do Sul, Responsável pela Cooperação Econômica, que destacou a importância desses espaços para compartilhar experiências e lições aprendidas no caminho para a definição de estratégias para o desenvolvimento das cidades e a implementação dos últimos avanços tecnológicos para melhorar a eficiência da gestão urbana e reduzir significativamente as emissões de carbono e a proteção do meio ambiente.

Em seu discurso, Blanca Alarcón fez referência ao Programa de Transformação Digital do CAF, o qual promove uma ação integral para a expansão do ecossistema e da economia digital na América Latina e no Caribe como um meio para permitir o processo de transformação produtiva e a integração regional. Com essa visão, busca-se incrementar o investimento em infraestrutura de comunicações de banda larga que suportem a extensão de serviços digitais para casas, governos e empresas, e especialmente daqueles que têm um impacto importante na competitividade do setor produtivo.

Desde o início da década de 2000, as cidades inteligentes têm sido criadas com a implementação das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) no desenvolvimento das novas áreas urbanas, no qual a Coreia do Sul acumulou experiência e conhecimentos sobre esse tipo de desenvolvimento. Através desses eventos, buscamos compartilhar esse conhecimento e experiência para alcançar soluções, através das cidades inteligentes, aos muitos problemas urbanos nas cidades ao redor do mundo, diz o Sr. Taeoh Kim.

Durante o evento, Lee Sang-hun (PhD), pesquisador do Instituto de Pesquisas sobre Terras e Habitação da Corporação Coreana de Terras e Habitação, divulgou os importantes avanços no modelo de desenvolvimento das novas cidades na Coreia do Sul, junto com as políticas públicas de cidades inteligentes.

Em sua exposição, Lee apresentou os casos de projetos de cooperação internacional em curso no Kuwait, na Índia, no Vietnam e na Bolívia. Ele explicou como está sendo desenvolvido o megaprojeto de uma cidade inteligente, a Nova Santa Cruz, uma cidade pensada para 370.000 habitantes, com um investimento total de U$S 2.500 milhões, tendo em vista uma cidade sustentável que implementa tecnologias da informação e da comunicação e respeitadoras do meio ambiente para alcançar maior eficiência nas funções urbanas tais como transporte, logística, prevenção da criminalidade, prevenção de desastres, energia, meio ambiente, uso da água, habitação e bem-estar social e a resolução dos problemas urbanos.

O fórum também contou com a participação de importantes representantes do setor das telecomunicações na Venezuela, Anthoni Camilo Torres, vice-ministro para o Desenvolvimento das TICs na Venezuela, Angel Duque, diretor de relações públicas e comunicação corporativa da Huawei Technologies Venezuela, Alfredo Avendaño, presidente nível 3 da Comunications Venezuela, em um painel moderado por Carlos Delgado, diretor do Centro de Investigação da comunicação da UCAB, que discutiram a situação da infraestrutura digital e as bases para a digitalização das cidades na Venezuela.

Além disso, Mauricio Agudelo, especialista em TIC e Telecom do CAF compartilhou com os participantes as conclusões do relatório “Expansão da banda larga móvel: eliminação de barreiras para a expansão da banda larga móvel em nível subnacional”, realizado pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), em que se identificam barreiras como a falta de uniformidade regulamentar, de regulamento relativo aos direitos de passagem e de via, de continuidade das decisões locais, de segurança jurídica, restrição pelo uso do solo, desconhecimento da lei, entre outros.

A banda larga, tanto fixa quanto móvel, estimula direta e indiretamente o crescimento econômico de um país e contribui para o crescimento do PIB e do emprego. Além disso, contribui indiretamente para melhorar a produtividade das cidades e, de forma induzida, gera novas atividades de negócio e incentiva o empreendedorismo.

As recomendações para promover o desenvolvimento da infraestrutura de banda larga móvel em nível subnacional, como uma forma de expandir a conectividade na América Latina e no Caribe vêm das melhores práticas identificadas em 10 países: Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Espanha, México e Peru. Essas práticas estão divididas em quatro categorias: procedimentos para a implantação, saúde, meio ambiente e tecnologia.

Entre as principais recomendações estão: considerar a banda larga um serviço de interesse geral; estabelecer um sistema de janela única comum; criar códigos de boas práticas e modelos de portaria; definir condições rigorosas, mas não proibitivas, em locais de conservação do tipo cultural e patrimonial ou do tipo ambiental; estabelecer no regulamento os níveis máximos de exposição à radiações não ionizantes conformes às normas internacionais, sem estabelecer diferenças entre os ambientes rurais, urbanos ou lugares especiais ou entre regiões; introduzir medidas que favoreçam o surgimento de operadores de torres independentes, entre outros.

Além disso, Agudelo apresentou os resultados do estudo de identificação de melhores práticas nas cidades para a expansão da banda larga na América Latina, através do qual o CAF e o cet.la têm construído o primeiro índice que mede o grau de adaptação de um município para a implantação de infraestrutura digital.

O último segmento do evento contou com a participação de um distinto painel composto pelos representantes da área universitária e pelos operadores de telecomunicações. Elzoni Luckert, gerente de engenharia de pré-venda de serviços corporativos da Telefónica Venezuelana, e Ricardo Martinez, presidente da Casetel, entre outros que falaram sobre melhores práticas para a implantação de banda larga em cidades da Venezuela.

O encerramento do evento esteve a cargo de Hely Olivares, executivo-chefe da Direção de Inovação Operacional e Gestão do Conhecimento da Vice-presidência de Desenvolvimento Social, que salientou a importância de tais eventos para identificar as ações mais eficazes que hoje estão sendo executadas com sucesso na região, e, neste caso da Venezuela, para lavrar o caminho para o desenvolvimento integral das cidades latino-americanas.

 

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe