cerrar
cerrar

caf.com / notícias / artespacio caf apresenta o processo de criação artística da gravura de daniela rico

notícias

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe
02 de março de 2018Artespacio CAF apresenta o processo de criação artística da gravura de Daniela Rico
2img - Artespacio CAF apresenta o processo de criação artística da gravura de Daniela Rico
2img - Artespacio CAF apresenta o processo de criação artística da gravura de Daniela Rico
2img - Artespacio CAF apresenta o processo de criação artística da gravura de Daniela Rico
2img - Artespacio CAF apresenta o processo de criação artística da gravura de Daniela Rico

No intuito de mostrar o processo de criação de uma obra de arte, serão exibidas as matrizes de madeira que dão origem às gravuras da artista gráfica.

comparteimg - Twitterimg - Facebookimg - GooglePlusimg - LinkedInimg - Whatsapp

Com o objetivo de mostrar “o que o público não vê” quando aprecia uma gravura, a Artespacio, galeria de arte de CAF -banco de desenvolvimento da América Latina, inaugurou na última quarta-feira, 7 de março, a exposição inédita da artista gráfica Daniela Rico, intitulada “Grrr”, uma mostra que reúne as placas de madeira que constituem as matrizes de seus trabalhos em gravura.

A exposição contará com mais de cinquenta placas inéditas, feitas com técnica de xilogravura – método de impressão em relevo sobre uma matriz de madeira – que mostrarão a origem de grande parte das gravuras que Rico desenvolveu em mais de 15 anos de experiência como artista gráfica. A mostra também inclui a exposição de gravuras em papel, peças de joalheria, fanzines, adesivos e pequenas esculturas feitas de metal.

"É uma exposição que mostra um processo de criação. 'Grrr' é uma exposição muito íntima, porque as placas pertencem à artista. Pessoalmente, às vezes gosto mais das placas do que dos trabalhos finais, porque elas têm volume e relevo”, confessa a artista, que compara o processo de criação plástica com a maternidade. “Uma única matriz de madeira pode gerar vários originais, tais como filhos, que são únicos mas nascem do ventre da mesma mãe”, explicou ela.

A exposição destaca a característica da criação artística de Daniela Rico que é mestra na técnica de xilogravura, segundo a opinião de Cecilia Lampo, curadora da exposição e da galeria. “Com seu trabalho, Daniela não faz arte no estrito sentido da palavra. Em vez disso, com uma força interior, cria mundos fechados e complexos povoados por seres oníricos; animais místicos contemporâneos incomuns e estranhos, sensíveis e amáveis, implacáveis e ignominiosos que questionam a realidade”, disse a curadora.

Rico enfatiza que trabalhar com gravuras é produzir mais com a escuridão que com a luz, seguindo um processo inverso ao do desenho ou da pintura.

“Se você quer fazer uma linha sobre as placas, deve colocar as goivas em tudo o que não é a linha, fazendo com que ela se destaque e fique em relevo. Depois disso, colocamos as tintas nas placas e as passamos por uma prensa para obter o resultado final. Na gravura, vamos da escuridão à luz. Em contrapartida, no desenho apenas a linha é delineada sem que seu entorno seja tocado”, explicou a artista.

 A exposição estará aberta ao público de 7 de março a 6 de abril, das 9h às 12h e das 14h30 às 18h. A Artespacio CAF está localizada na Av. Arce Nº 2915, esquina Clavijo, bairro de San Jorge.

 Mais sobre Daniela Rico

Daniela Rico nasceu em 1975 na cidade de La Paz.  Estudou gravura na escola de artes “Hernando Siles”, na cidade de La Paz, e cerâmica com Cecilia Costa e Mario Sarabia. Além disso, é graduada em “História e filosofia da arte” pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidad Mayor de San Andrés (UMSA).

 Há mais de 15 anos, Rico é proprietária do ateliê “La Perra Gráfica”, uma gráfica pré-histórica, como a artista gosta de chamar. O ateliê é um espaço autônomo de criação e publicação independente dedicado à produção de arte popular, especializado na expressão gráfica.

 Participou de exposições individuais e coletivas na Argentina, Bolívia, Itália e Estados Unidos.

 Entre os prêmios recebidos, destaca-se o prêmio Corporación Andina de Fomento do III Salão SIART, conferido em 2003, com o trabalho: Vinte variações sobre o mesmo tema. Nesse mesmo ano, ela recebeu duas menções honrosas nas categorias bidimensional e tridimensional no Salão Murillo de La Paz. Também foi reconhecida com uma menção em gravura no Salão Gildaro Antezana em Cochabamba.

É membro-fundador da comunidade de ilustradores Lápiz, que está em atividade desde 2010, e participou das seguintes mostras: Lápiz: Portafolio (2010, La Paz); Lápiz: Infierno Barroco, realizada nas cidades de La Paz e Cochabamba em 2011; Lápiz a la Carta; Lápiz: Obra Gruesa, em 2012 na cidade de La Paz. No mesmo ano participou do Lápiz: Blanco y Negro na cidade de Santa Cruz.

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe