cerrar
cerrar

caf.com / notícias / “manos en la data (mãos aos dados)”: como utilizar a ciência de dados para desenvolver políticas públicas na argentina

notícias

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe
21 de setembro de 2018“Manos en la DATA (Mãos aos DADOS)”: como utilizar a ciência de dados para desenvolver políticas públicas na Argentina
2img - “Manos en la DATA (Mãos aos DADOS)”: como utilizar a ciência de dados para desenvolver políticas públicas na Argentina
2img - “Manos en la DATA (Mãos aos DADOS)”: como utilizar a ciência de dados para desenvolver políticas públicas na Argentina

Funcionários públicos, cientistas de dados e executivos da CAF realizaram diferentes tabelas de trabalho, com o objetivo de avançar em novos projetos para melhorar o desenho e o monitoramento de políticas públicas no país.

comparteimg - Twitterimg - Facebookimg - GooglePlusimg - LinkedInimg - Whatsapp

O CAF - banco de desenvolvimento da América Latina - organizou em seus escritórios de Buenos Aires a jornada de trabalho “Manos en la DATA (Mãos aos DADOS)” junto com o Sistema de Informações, Avaliação e Monitoramento de Programas Sociais (SIEMPRO) e a Fundação Sadosky, da qual também participaram funcionários dos Ministérios de Produção, Trabalho, Saúde e Desenvolvimento Social, do Governo da Cidade de Buenos Aires e da Prefeitura de Córdoba, entre outros.

A apresentação esteve a cargo do representante do CAF na Argentina, Andrés Rugeles, que assegurou que o uso apropriado de técnicas de ciências de dados é essencial para o bom desenvolvimento e monitoramento de políticas públicas. Acompanhou-o a diretora nacional do SIEMPRO, Soledad Cubas, e o vice-presidente de Conhecimento do CAF, Pablo Sanguinetti, que acrescentou que o custo de utilização dessas técnicas é particularmente baixo para o Estado, o qual, devido à sua escala e à relação frequente e administrativa com pessoas físicas e jurídicas, cria um grande volume de informações que pode ser utilizado para fins estatísticos que ajudem a elaborar políticas públicas melhores.

Durante o painel de abertura, o diretor do programa de Ciência de Dados da Fundação Sadosky, Leandro Lombardi, se referiu às técnicas de aprendizagem automática. “Existe o mito de que há um grande cérebro na nuvem que prevê as coisas. O que temos são dados que nos permitem melhorar políticas e a esfera pública está necessitando desse tipo de coisa. Por isso acho que este workshop é perfeitamente adequado para se atingir esses objetivos”.

Por seu turno, o pesquisador (Universidade de San Andrés e CONCET) Walter Sosa Escudero, acrescentou: "O Big Data é uma consequência da explosão de dados gerados espontaneamente por coisas que estão interconectadas. Mas atenção: muitas pessoas acreditam que estamos proporcionalmente melhor quanto mais dados temos e infelizmente, isso não é verdade. Estamos diante de algo completamente diferente do que tínhamos, com tudo de bom e de mau que isso significa”.

Por fim, a economista-chefe do CAF, Lucila Berniell, revelou detalhes sobre os objetivos pretendidos nessas jornadas de trabalho: “Decidimos realizar esta jornada para aproximar a ciência de dados do desenvolvimento de políticas públicas. Desta forma, teremos informações que nos permitirão avaliar melhor os impactos e, com base nesse conhecimento, aplicar correções ao círculo virtuoso de boas políticas”.

Durante toda a jornada, foram realizadas seis mesas redondas sobre temas diferentes: a detecção da evasão (no âmbito do trabalho), a identificação de riscos da evasão escolar (educacional), a identificação de casos de interrupção voluntária da gravidez e seu acompanhamento (saúde), a prescrição e a descrição do desvio de rotas e frequências de ônibus urbanos (transporte), métricas e mapas (acessibilidade) e a identificação, caracterização e previsão dos benefícios concedidos pelo Subsídio Universal por Filho (desenvolvimento social).

A título de encerramento, os funcionários públicos, cientistas de dados e executivos do CAF que participaram das mesas redondas, entregaram suas conclusões sobre os temas analisados e que serão acompanhados para a concretização dos projetos delineados.

Com a organização do “Manos en la DATA (Mãos aos DADOS)”, o CAF contribui para a elaboração de políticas públicas mais eficazes que promovam o desenvolvimento da Argentina e da região.

TwitterFacebookGoogle plusLinkedInYoutubeRSSSuscribe